Confiança: você mede este índice na sua rede?

Confiança: você mede este índice na sua rede?

9 de março de 2018

Você já parou para pensar em ter na sua empresa o indicador CONFIANÇA como referência para alavancar os resultados de seu negócio?

Este foi o tema de maior impacto na Convenção Global da IFA International Franchise Association, que aconteceu em fevereiro, na cidade de Phoenix, Arizona, nos Estados Unidos. O que acontece na IFA é, sem dúvida, relevante para o franchising no mundo todo.

O evento reuniu 3.800 congressistas, 300 membros internacionais, incluindo uma comitiva representando o Brasil com 24 participantes. A ABF fez a curadoria do grupo brasileiro, que reuniu franqueadores, franqueados e prestadores de serviço do sistema.

Para o sistema de franchising brasileiro, o tema caiu como uma luva no contexto atual do nosso país.

Apesar da crise econômica e política enfrentada no último ano, o franchising no Brasil segue com números crescentes. Em 2017, o setor obteve um crescimento de 8% em faturamento, atingindo R$ 164 bilhões, gerou 1,2 milhão de empregos diretos, 146.000 pontos de venda e 2.800 marcas.

Muito desse resultado vem graças à confiança, um pilar de alta relevância entre a figura do franqueador e franqueado.

Segundo estudo da Human Capital Study, organizações altamente confiáveis performam 286% a mais do que empresas com baixo nível de confiança.

Stephen Covey, escritor e palestrante americano é autor do livro The speed of trust – A velocidade da confiança. Na IFA, apresentou de forma bem interessante e didática que a confiança é uma referência econômica para as empresas e não apenas uma virtude social. Covey sugere avaliarmos nas empresas dois indicadores:

  1. Dividendos da Confiança:
    Maior confiança = maior velocidade + menor custo = Maior Resultado
  1. Taxa da confiança:
    Menor confiança = menor velocidade + maior custo = Prejuízo

E no franchising, fica mais clara a importância deste índice vir em primeiro lugar. O candidato à franquia só investe em uma marca se acredita e confia no modelo de negócio, no produto ou serviço, mas também e principalmente nos líderes que estão à frente da marca. Faz toda a diferença na escolha e depois na manutenção do negócio e no relacionamento diário entre as equipes.

A desconfiança é o maior risco para fazer negócios ou para manter bons negócios, portanto, pratique a confiança todos os dias.

Contratos não podem ser substitutos da confiança e nada é tão exaustivo quanto o clima de baixa confiança. Estudos de neurociência comprovam que a energia em culturas organizacionais de alta confiança é 160% maior.

Com confiança e todos remando na mesma direção, fica mais fácil gerar resultado!

Para gerar confiança, o líder precisa “dar” confiança, ter uma intenção positiva sempre e construir reciprocidade. Se o primeiro trabalho de um líder é inspirar confiança, o segundo é ampliar esta confiança!

Covey ainda deu a dica dos 13 comportamentos dos líderes de alta confiança, veja o que eles praticam:

  1. Falam diretamente;
  2. Demonstram respeito;
  3. Criam transparência;
  4. Corrigem erros;
  5. Mostram lealdade;
  6. Entregam resultados;
  7. Fazem o melhor;
  8. Confrontam a realidade;
  9. Deixam claras as expectativas;
  10. Praticam prestação de contas;
  11. Escutam primeiro;
  12. Mantém compromisso e;
  13. Ampliam a confiança.

Para saber mais sobre o que rolou na IFA, a ABF RIO vai realizar o evento Pós IFA, com tendências e insights da IFA, que acontecerá no Windsor Flórida Hotel – Rua Ferreira Viana 81 – Flamengo – Rio de Janeiro/RJ, na próxima quarta feira, dia 14/03 de 9h às 13h. Inscrições: atendimento@abfrj.com.br

Convido você também a acompanhar a ABF RIO nas redes sociais e participar dos nossos eventos que contam, sempre, com palestrantes experientes e com conteúdo bastante relevante.

Facebook Comentários