A resiliência do Franchising em meio à crise causada pela COVID-19

A resiliência do Franchising em meio à crise causada pela COVID-19

2 de setembro de 2020

“Se quer ir rápido, vá sozinho. Se quer ir longe, vá acompanhado.”

Provérbio africano.

Com o decreto da quarentena no Brasil, em março, diversos setores da indústria entraram em alerta. Obrigados a fechar as portas por tempo indeterminado, ou mesmo fazendo de forma voluntária, vimos os casos de covid-19 aumentarem rapidamente e o faturamento das empresas diminuir. No setor de franquias não foi diferente, e a crise causada pelo coronavírus afetou diversos segmentos, diversas marcas, de todos os tamanhos. No entanto, mesmo em meio a um cenário global tão desafiador, unidades franqueadas conseguiram manter os seus negócios e garantir os empregos, comprovando a resiliência do setor de franchising

Confira como as franqueadoras têm trabalhado para diminuir os efeitos da pandemia e da crise econômica:

Desconto nos Royalties e Fundo de Propaganda

Como já citamos e explicamos aqui, os franqueados pagam taxas mensais à franqueadora: os royalties, que são calculados com base nas vendas brutas da unidade, e o Fundo de Propaganda, uma taxa para o investimento em marketing e ações de divulgação da marca. Cobradas mensalmente para a manutenção de todos os serviços oferecidos pela franqueadora, essas taxas tiveram um desconto ou, em muitos casos, não foram cobradas durante os meses em que o comércio esteve fechado. O objetivo dessa medida foi garantir dinheiro em caixa e os empregos nas unidades franqueadas.

Apoio jurídico e contábil

Com o fechamento de lojas e shopping centers em todo o país, houve uma necessidade imediata de negociação de prazos e valores com fornecedores e administradores dos imóveis comerciais. Com um poder maior de negociação, as franquias saíram na frente e obtiveram descontos maiores e prazos mais extensos. Dessa forma, mesmo com o faturamento menor, muitas unidades franqueadas seguiram operando e reduzindo o impacto da crise.

Além disso, com os programas emergenciais do governo, o apoio jurídico e contábil tornou-se uma necessidade ainda maior. Para garantir o emprego dos colaboradores, muitas empresas recorreram ao Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e da Renda (BEm) e aplicaram os modelos de suspensão e de redução salarial. Com uma equipe jurídica e contábil, já incluídas no serviço de muitas franqueadoras, os processos tornaram-se menos burocráticos e foram feitos de forma mais ágil.

Delivery e drive-thru em ascensão

Nesse período, ainda que muitos negócios tenham fechado as portas, novas oportunidades surgiram. O delivery, que já estava em ascensão no país, foi implantado por diversos setores, desde a alimentação até a venda de roupas e presentes. Os formatos drive-thru e drive-in ganharam notoriedade e passaram a ser utilizados para vendas e até para o retorno dos cinemas e shows.

Se muitas empresas ainda buscam se adaptar à nova realidade, as franquias puderam contar com times preparados e hoje, seis meses após o início da quarentena, estão obtendo bons resultados. Os formatos de delivery, drive-thru e drive-in chegaram, muitas vezes, como uma solução passageira, mas conquistaram os seus lugares e tornaram-se parte do planejamento e investimento das empresas.

Força da marca

Os negócios passaram a ser digitais do dia para a noite. E os clientes passaram a ser 100% digitais. A compra on-line, que ainda tinha baixa representatividade e muita desconfiança por parte do consumidor, passou a ser, em muitos casos, a única opção de compra. Os clientes acabaram dando a preferência a marcas já conhecidas e estabelecidas no mercado e com bons reviews e boa reputação nas redes sociais. E as franquias têm marcas muito conhecidas do consumidor.

Começamos esse artigo com um provérbio africano que representa um pouco do cenário das franquias. A atuação em rede apresentou na pandemia um diferencial ainda maior, e começa a atrair ainda mais investidores. Em grupo, o franqueado tem apoio da franqueadora, dos franqueados e de toda rede de parceiros e fornecedores. E isso com certeza faz diferença. Agora o franchising mais digital está até mais rápido e receio terem que mudar o provérbio.

Foto por rawpixel.com: br.freepik.com.

Luiz Felipe Costa

Luiz Felipe Costa

Luiz Felipe Costa é CEO do Grupo Alento, detentor das marcas Billy The Grill, Vizinhando e Naa! Sushi Bar, e também vice-presidente da ABF-Rio. Pretende ainda lançar novas marcas em 2020.

Facebook Comentários